domingo, 29 de novembro de 2015

Na natureza pode Deus mostrar sua figura,
ou a de sua Mãe

Nossa Senhora do Rosário, dita de los Humeros, Sevilha, Espanha.
Nossa Senhora do Rosário, dita de los Humeros, Sevilha, Espanha.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Cantiga 342 & 127 do rei de Castela Alfonso X, o Sábio. Cantigas de Santa María

Como Nossa Senhora fez aparecer sua imagem entre umas pedras de mármore em Constantinopla.


“Com razão pode Deus mostrar a sua imagem ou à de Sua Mãe na natureza, pois Ela quis mostrá-la”.

Posto que Deus ao criar as coisas como elas são, ou de outras muitas outras formas caso tivesse querido, não teve nem tem de fazer esforço algum, nem se preocupa em demasia em lhes dar forma, pois Ele, sendo quem é, tem poder próprio do início ao fim.

Portanto, se nas pedras faz aparecer figuras, ninguém deve achar estranho que o faça até nas ervas, pois é Ele que as faz nascer e lhes proporciona muitas cores para que elas sejam de nosso agrado.

Por isso aconteceu em Constantinopla, como eu fiquei sabendo, que o Bom Imperador Manuel mandou fazer uma muito nobre igreja, e segundo me contaram, mandou trazer mármores de muito longe para cortá-los pelo meio e assim fazer grandes chapas para a base do altar de Nossa Senhora, Mãe de Nosso Senhor.

domingo, 15 de novembro de 2015

O tanoeiro de Arnsbourg

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Há muito, muito tempo, um lenhador atravessava a floresta de Arnsbourg, entre Niederbronn e Mühltal, na Alsácia, França.

O calor estava insuportável e a seca ia longe, fazendo o pobre homem sofrer terrivelmente de sede.

Para a infelicidade do corajoso homem não havia córrego algum para dessedentá-lo.

Passando perto das ruínas de um antigo castelo, ele julgou sentir um bom odor de vinho, e pensou:

“Se houvesse pelo menos alguém que pudesse dar-me um pouco de vinho!”

Nessa hora, apareceu subitamente no meio das ruínas um homenzinho de longa barba branca, com um avental de couro e um maço de chaves no cinto, que lhe fez sinais amistosos e convidou-o a acompanhá-lo.

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

São Save e o diabo

Diabo tortura precitos nos inferno. Hans Memling (1430 - 1494)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Um dia São Save, ou Saint Savin pelo seu nome francês, tinha de ir a uma aldeia, que ficava sobre uma montanha.

Subindo o caminho alcantilado, viu o diabo que vinha pelo lado oposto. No mesmo momento em que pôs os olhos no santo, o diabo quis fugir, mas havia altos barrancos em ambos os lados da passagem estreita, e ele não teve jeito de escapar.

Quisesse ou não quisesse, tinha que continuar e encontrar-se com São Save. Quando estavam bem próximos, São Save cumprimentou-o:
— Deus o ajude, viajante!
— Minha viagem não é de sua conta!,  respondeu o diabo, zangado.
— Quem é você?
— E que lhe importa saber quem sou eu?
— Aonde vai?
— Também isso não lhe diz respeito.
— Que gostaria você de fazer?
— Bem, eu gostaria de plantar verduras, se tivesse um pouco de terra e um sócio tal como o senhor.
— Se é isso que deseja, irmão, serei seu sócio. Mas primeiro vamos decidir a respeito do que fazer: o que semearemos, e quem deve comprar a semente?
— Embora eu deteste trabalhar com o senhor, padre, farei isso, com a condição de estabelecermos um contrato de negócios. Não quero ser seu subordinado, de maneira alguma. Temos que ser sócios com direitos iguais.

Conversaram sobre várias verduras, durante algum tempo, e resolveram cultivar cebolas, para começar. Encontraram um campo nas proximidades, semearam as sementes de cebolas e esperaram que elas crescessem.