domingo, 20 de setembro de 2015

A janela do eremita

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A vista do Céu torna leves os mais duros sofrimentos.

Um piedoso eremita, que Deus tinha provado com longos e penosos sofrimentos, foi visitado em sua cela por alguns de seus amigos.

Maravilhados da suma tranquilidade e alegria que em seu rosto transparecia, perguntaram-lhe como se mostrava tão alegre e paciente em meio de tantos padecimentos.

Sorrindo, o eremita apontou para a janela da sua cela e disse:

— Aquela janela torna-me suportável e leve toda a dor.

— Como pode ser isto? — perguntou um dos visitantes.

— Por meio daquela janela eu vejo o Céu, e esta vista me conforta e anima a padecer por Jesus Cristo todos os meus sofrimentos.



domingo, 6 de setembro de 2015

O sacerdote orgulhoso

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em velhos dias, havia na Irlanda grandes escolas, nas quais toda sorte de conhecimentos eram ministrados ao povo, e mesmo os mais pobres tinham mais instrução naquela época do que têm hoje os cavalheiros.

Mas, no que se refere aos sacerdotes, sua instrução era das muito altas, de forma que a fama da Irlanda correu todo o mundo, e vários reis de terras estrangeiras costumavam mandar seus filhos até a Irlanda para serem educados nas escolas irlandesas.

Naquele tempo havia um meninozinho que freqüentava uma dessas escolas, e era uma maravilha para quantos o conheciam, pela sua inteligência.

Seus pais não passavam de pobres trabalhadores. Apesar de jovem e pobre, nem filho de rei nem filho de senhor poderia competir com ele em instrução. Os próprios mestres sentiam-se envergonhados, pois quando estavam tentando ensinar-lhe, o menino dizia-lhes coisas que eles jamais tinham ouvido antes, mostrando assim a ignorância deles.

Um de seus grandes sucessos era a argumentação. Ele insistia até provar que o preto era branco, o que levava o interlocutor a desistir, pois ninguém conseguia derrotá-lo na conversa.

Depois ele dava voltas, e mostrava que o branco era preto, ou mesmo que no mundo não havia cor alguma. Quando cresceu, seus pobres pais tornaram-se tão orgulhosos dele que resolveram fazê-lo sacerdote. Conseguiram-no finalmente, embora quase morressem de fome para arranjar o dinheiro.