domingo, 15 de outubro de 2017

Dona Truã

Leiteira normanda em Greville, Jean-François Millet (1814 – 1875),
Los Angeles County Museum of Art
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Certa feita, o Conde Lucanor falou a Patrônio desta maneira:

— Patrônio, um homem veio me propor uma coisa e me mostrou o meio de consegui-la.

Eu posso te garantir que traz tantas vantagens que, se com a ajuda de Deus sair bem, vai me ser de grande utilidade e proveito, pois os benefícios se somam uns aos outros e no fim serão muito grandes.

Então contou a Patrônio tudo quanto sabia.

Após ouvi-lo, Patronio respondeu ao conde:

— Senhor Conde Lucanor, sempre ouvi dizer que o prudente fica dentro das realidades e desdenha as fantasias, pois muitas vezes àqueles que vivem delas lhes acontece o mesmo que a dona Truã.

O conde perguntou o que tinha acontecido com ela.

— Senhor conde – disse Patrônio –, havia uma mulher chamada dona Truã que era mais pobre do que rica. Certo dia ela se dirigia ao mercado com uma panela cheia de mel na cabeça.



Enquanto ia pelo caminho, começou a pensar na venda do mel. E com o que ganharia, compraria um monte de ovos. E dos ovos nasceriam galinhas. E com o dinheiro das galinhas compraria abelhas.

E assim foi comprando e vendendo, sempre com lucro, até que se imaginou mais rica que todas as suas vizinhas.

Depois pensou que, sendo tão rica, casaria bem seus filhos e filhas, e andaria pelas ruas na companhia dos genros e noras.

E pensou também que todos comentariam a sua boa sorte, pois tinha tantos bens apesar de ter nascido muito pobre.

Pensando nisso, começou a rir com alegria pela sua boa sorte. E rindo, rindo, bateu com a sua fronte, a panela caiu no chão e quebrou em mil pedaços.

Vendo a panela arrebentada e o mel espalhado pelo chão, Dona Truã começou a chorar e a se lamentar muito amargamente, porque tinha perdido todas as riquezas que sonhava obter da panela se esta não tivesse se arrebentado.

Por ter posto toda a sua confiança nas fantasias, não pôde fazer nada daquilo que tanto esperava e desejava.

Vós, senhor conde, se quiserdes aquilo que vos dizem e que vós achais que um dia será realidade, procurai sempre que se trate de coisas razoáveis, e não de fantasias ou imaginações duvidosas e vãs.

E quando fordes iniciar algum negócio, não arrisqueis algo muito vosso, cuja perda vos possa ocasionar dor, para tirar um proveito baseado apenas em vossa imaginação.

O conde ficou muito aprazido com o que lhe falou Patrônio, agiu segundo a sua narrativa e assim lhe foi muito bem.

E tendo o infante Don Juan ouvido e gostado deste conto, fez que fosse escrito neste livro, acrescentando dois versos por ele compostos:

Nas realidades certas vós podeis confiar,

mas das fantasias deveis vos afastar.


El conde Lucanor
El conde Lucanor é um livro narrativo da literatura de Castela medieval, escrito entre 1330 e 1335 pelo infante Don Juan Manuel, Príncipe de Villena.
O título completo e original em castelhano medieval é Libro de los enxiemplos del Conde Lucanor et de Patronio (Livro dos exemplos do conde Lucanor e de Patronio).
O livro compõe-se de cinco partes, sendo a série de 51 exempla ou contos moralizantes a mais conhecida.


CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CIDADE SIMBOLOS
AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário