domingo, 1 de junho de 2014

O pífaro dos Reis, e Natan o lenhador


Gaspar, Belchior e Baltazar iam seguindo a estrela que os conduzia a Belém.

Acamparam, uma noite, perto de uma cabana e pediram hospedagem.

Natan disse-lhes que apenas tinha para sua família, mas que lhes causava pena vê-los expostos ao mau tempo.

Mandou que entrassem, em seguida trouxe-lhes umas braçadas de capim seco para que lhes servissem de cama.

No outro dia, ao despedirem-se de Natan, disseram-lhe os Magos:

— Olha! Não temos dinheiro, mas deixamos-te esta singela lembrança.

E Baltazar entregou-lhe um pífaro (pequena flauta), dizendo:
— Toca-o, e os teus desejos se cumprirão. Será para ti uma fonte de riquezas enquanto tratares bem os pobres.

Tendo partido os Reis, disse Natan à esposa:
— Disseram que não tinham dinheiro, e eu o vi em tamanha abundância! E ainda me pagaram com uma flauta.
— Mas eles não te disseram que a tocasse, que se cumpririam os teus desejos?
— Ah! Isso é verdade! Vamos experimentar.



Natan tocou o pífaro, dizendo:
— Quero um riquíssimo almoço.
Como por encanto apareceu ali o almoço, deixando-os boquiabertos. E os desejos não tiveram mais limites. Foi pedindo e recebendo: palácios, roupas, riquezas imensas.

Reis Magos, Mestre do altar de São Bartolomeu.
Paul Getty Museum.
Mandou logo convidar os amigos para um lauto banquete, e apareceram muitos para ver as riquezas de Natan.

Durante a festa apresentaram-se os Reis, que regressavam de Belém humildemente vestidos, e pediram que fossem conduzidos à presença de Natan. Porém o escravo zombou deles, e disse que recebera ordem de não deixar entrar ninguém.

Os reis insistiram em entrar. O escravo pediu socorro, e Natan, indignado, ameaçou soltar os cães contra eles. Os Magos retiraram-se.

Depois de tomarem suas vestes reais, apresentaram-se de novo, assentados em suas liteiras e acompanhados de todo o seu séquito.

Natan saiu a recebê-los e quis fazê-los sentarem à sua mesa.

— Não — disse Gaspar —, não podemos sentar com quem não tem honra.
— Recusamos tua amizade, porque não sabes cumprir a tua palavra — disse Belchior.
— Não podemos sentar-nos ao lado de um lenhador sem honra — disse Baltazar.

Enfurecido, Natan ia despejar sobre eles cobras e lagartos, quando Baltazar tocou um pífaro, e no mesmo instante desapareceram palácios, banquetes, riquezas e tudo quanto havia.

Natan lembrou-se de tocar o seu pífaro, mas ele também havia desaparecido.

O lenhador encontrava-se, pois, tão pobre quanto antes, e ainda com o coração cheio de remorsos.

(Fonte: Pe. Francisco Alves, C.SS.R., "Tesouro de Exemplos" - Vozes, Petrópolis, 1956, p. 353)



CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS ORAÇÕES CIDADE SIMBOLOS
AS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISORAÇÕES E MILAGRES MEDIEVAISA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

  1. Maria das Graças Dourado Pimenta2 de junho de 2014 19:11

    É uma lenda que serve de exemplo para aqueles que não cumprem a palavra e fazem acepção de pessoas.

    ResponderExcluir