quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

A pedra furada

Castelo de Vizille
No cimo de uma colina de 1220 metros de altura, no sul do departamento de Isère há um singular arco de pedra. Ele é chamado “A Pedra Furada”.

Esta magnífica escultura natural tem uma explicação que fez nascer uma lenda tida como verdadeira.

“O duque de Lesdiguières, senhor do castelo de Vizille, era um grande caçador. Para conservar os animais dentro de seu território decidiu construir um muro imenso que daria a volta em todo seu feudo. Porém, o custo da realização era exorbitante.

“Ele não podia gastar tanto dinheiro só por sua paixão, mas contorcia-se de desejos de fazé-lo.

Satanás, porém, ficou sabendo que o duque andava com essa caprichosa “necessidade” e decidiu fazer uma visitinha demoníaca ao agitado duque.

‒ “Senhor duque, fiquei sabendo de vosso belo desejo, tão grande e admirável, que eu decidi construir para Vossa Senhoria esse imenso muro gratuitamente”, disse o diabo bajulador.

Um muro imenso para segurar os cervos
O duque logo compreendeu que o diabo estava aprontando uma das dele.

Mas, a vontade desarranjada de fazer o muro era como uma cócega que não o abandonava.

Então, ele achou melhor deixar o demônio falando e assim sonhar um pouco com o absurdo muro.

‒ “Eu, continuou Belzebu, eu não vos pedirei em troca nada de terrestre. Mas, só... apenas ... quer dizer ... só uma coisinha...

‒ “Bem, uma coisinha de nada ... , e falando baixinho acrescentou no ouvido do duque que morria de vontade de caçar, “só... tua ... alma...”

O duque estava doido pelo muro, mas a perdição eterna... ir no inferno pela eternidade toda ..., isso lhe parecia demais!

Dividido entre o capricho e o medo do inferno, o duque achou mais esperto pôr uma condição ao diabo. Uma condição ‒ achava ele ‒ que o diabo não poderia cumprir. Ele, o esperto duque, passaria a perna em Satanás!

‒ “A condiçao é que você construa esse muro num tempo recorde”.

‒ “Sem dúvida, vossa majestade será bem servida”, respondeu o anjo das trevas.

‒ “Eu vou montar no cavalo e farei um giro pelo meu domínio.”

‒ “Tudo seja feito como Vossa Graça deseja”, respondeu em tom de pilheira o pai da mentira.

‒ “E se o muro não estiver pronto quando eu voltar do giro, eu não estarei obrigado a nada”.

‒ “Wuaff, wuaff”, latiu o demônio em sinal de aprovação, certo que tinha o duque no bolso.

E enquanto o duque saia de passeio em belo corcel, Belzebu ordenou a um outro diabo de nome Folaton que começasse logo a construção.

Folaton era um diabo empreiteiro e mandou vir dezenas de outros espíritos turvos do inferno. Sob seu comando trabalharam como demônios para levantar o muro em tempo recorde.

O muro crescia numa velocidade extraordinária. O duque não podia acreditar no que via.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

As três moças de São Nizier

Em Vercors, nos Alpes franceses, subindo ainda mais alto pelo lado da Torre Sans-Venin, hás três rochedos verticais que parecem estátuas e sobressaem na montanha.

Todos os habitantes de Grenoble conhecem esses três rochedos míticos que surgem altaneiros entre as crestas de Vercors. Os alpinistas vencem muitos desafios quando conseguem escalá-los.

Mas sabeis qual é a origem de seu nome tão curioso? Pois eles são conhecidos como “as três moças de São Nizier”. Eis o que aconteceu:

Três moças muito belas e sobre tudo muito vaidosas viviam numa aldeia de Vercors. Os seus costumes coquetes deixavam surpresos os habitantes do local que tinham muitas dificuldades para sobreviver cultivando aquela terra árida no verão e fria no inverno.

Num verão, enquanto todo mundo trabalhava duro nos campos, as três senhoritas passeavam pelas pradarias.

‒ Oh!, exclamou uma delas, olhem! Com essas flores eu arranjarei um lindo vaso!

‒ Ah! com elas eu faria uma coroa para meus cabelos, disse uma outra.

‒ Olha! o vendedor ambulante de panos está vindo ai!

‒ Ah ! Sim, sim ! Vamos ver quais são as novas cores no seu carrinho!

E partiram com inteira despreocupação sem pensar nos perigos que poderiam acontecer.

Após terem descido a ladeira encontraram três malandros que as aguardavam. Eles avançavam gritando obscenidades irreproduzíveis.

‒ “Socorro! Ajuda!” gritou uma.

‒ “Fujamos logo”, disse outra.

‒ “Ah! se eu tivesse sabido...”, acrescentou a terceira.

As três vaidosas compreenderam tarde seu erro. E saíram correndo em direção da aldeia que ficava muito longe.

Mas as roupas prendiam nas pedras e os bandidos se aproximavam expertos, agressivos e velozes.

Percebendo que estavam perdidas, as três lembraram de invocar o Santo da paróquia.

São Nizier sempre foi muito solícito com seus devotos. Lá, do Céu estava vendo a cena e decidiu dar uma lição exemplar às três moças e que valesse para todas as coquetes que andam pelo mundo. Todas elas ficariam sabendo que a despreocupação de descocada tem graves conseqüências.

São Nizier, em lugar de castigar os vagabundos, decidiu transformar as três moças em rochedos.

Os criminosos ficaram sem o que queriam.

As moças foram salvas.

Mas ficaram para sempre lá petrificadas lembrando às moças do vale de serem sérias, prudentes, laboriosas, e obedientes aos pais.